ACOMPANHE-NOS    
JANEIRO, SÁBADO  22    CAMPO GRANDE 31º

Comportamento

Baiflu começou customizando e hoje cria looks estilo clubber

Esbanjando criatividade, jovem aprendeu a costurar através de vídeos na internet

Por Jéssica Fernandes | 14/01/2022 08:45
Baiflufaga usando adereços prateados. (Foto: Arquivo pessoal)
Baiflufaga usando adereços prateados. (Foto: Arquivo pessoal)

Embora seja novo, Baiflufaga, 20 anos, por aqui já é respeitado como estilista profissional. O artista e designer visual cria looks e desenvolve peças inspiradas no estilo clubber, que mescla o underground com o sofisticado.

A história dele com a moda começou no ensino médio e, enquanto não realiza o sonho de ir para São Paulo fazer o curso, ele movimenta a cena clubber na cidade e trabalha para construir o portfólio.

Em 2017, ele começou a customizar roupas para si, depois para os amigos e, quando percebeu, entrou de cabeça nesse universo artístico. “Quando eu estava no ensino médio, comecei a me interessar pela moda e a customizar as roupas que tinha. Meus amigos gostavam do meu trabalho e pediam para eu fazer”, fala.

Modelo veste primeiro vestido criado pelo artista. (Foto: Arquivo Pessoal)
Modelo veste primeiro vestido criado pelo artista. (Foto: Arquivo Pessoal)

Baiflu, como é conhecido, conta que aprendeu a fazer as primeiras peças do zero através de vídeos do YouTube. “Em 2019, comecei a criar algumas peças a partir do zero, todas aprendi vendo no YouTube e no fim, dava certo. Não fiz curso de corte e costura, moda, porque ainda não tive a oportunidade”, diz.

Por meio das vestimentas, o artista procura mostrar que existem diversas possibilidades, tendências e formas de expressão artística. Com direito a muita prata, os acessórios são bem-vindos e utilizados para somar com o look. Em uma das criações, que trazem a referência country, Baiflu costurou uma calça jeans cheia de pequenas peças prateadas. “Gosto muito da prata, porque combina com muita coisa, diferente do dourado”, esclarece.

Em outra ocasião, ele arriscou e costurou o primeiro vestido da carreira. Na época, o trabalho foi um desafio que impôs a si mesmo. Em sete dias, usando o dinheiro do passe de ônibus, o designer visual comprou e criou a peça, sem utilizar qualquer molde ou referência. A conquista é motivo de orgulho até hoje. “Foi um desafio para mim mesmo, porque estava próximo de completar 20 anos e queria fazer algo novo”, afirma.

Criação de Baiflu traz referência country. (Foto: Arquivo Pessoal)
Criação de Baiflu traz referência country. (Foto: Arquivo Pessoal)

Questionado sobre o que o estilo clubber significa para ele, Baiflu responde que sempre admirou as coisas que fogem do tradicional. “Foi mais por questão de gosto, sempre gostei da mistura de estilo, essa coisa de algo que não é popular, diferente do que a cidade conservadora tá acostumada a ver”, explica.

Na comunidade LGBTQIA+, o jovem encontrou um espaço onde o clubber tem destaque e é apreciado. “A cena clubber e pop da cidade voltou muito em alta com as festas LGBTQIA+. As pessoas que frequentam esses lugares amam ver superproduções de moda, looks bem produzidos”, ressalta.

De Campo Grande para São Paulo - Antes de trabalhar com o que ama, Baiflu cogitou atuar em outras áreas. Porém, o desejo de seguir carreira nelas durava pouco e ele logo partia para a próxima ideia. “Quando eu era mais jovenzinho, todo mês, eu queria fazer algo diferente e me frustrava”, conta.

Modelo veste peça desenvolvida pelo jovem. (Foto: Arquivo Pessoal)
Modelo veste peça desenvolvida pelo jovem. (Foto: Arquivo Pessoal)

Só quando encontrou a moda, Baiflu finalmente encontrou a si mesmo. “Quando comecei a customizar, me encontrei, me deu um sentido na vida e percebi que esse seria o meu caminho certo. Sei o que quero, mas não sei como chegar lá, principalmente, quando a gente vem de baixo, porque são passos muito minuciosos que temos que dar”, expõe.

Hoje, o maior sonho que ele tem é sair da cidade e estudar em São Paulo (SP). “Eu tenho um sonho de fazer faculdade em São Paulo, como Belas Artes e Santa Marcelina. São particulares, mas não custa sonhar”, diz. Enquanto a hora não chega, o jovem segue desenvolvendo looks para o portfólio.

Quem quiser conhecer o trabalho dele, o link é https://www.behance.net/baiflufaga/

Acessórios pratas têm lugar de destaque nas produções. (Foto: Arquivo Pessoal)
Acessórios pratas têm lugar de destaque nas produções. (Foto: Arquivo Pessoal)

Curta o Lado B no Facebook. Tem uma pauta bacana para sugerir? Mande pelas redes sociais, e-mail: ladob@news.com.br ou no Direto das Ruas através do WhatsApp do Campo Grande News (67) 99669-9563.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário