ACOMPANHE-NOS    
JUNHO, QUINTA  30    CAMPO GRANDE 20º

Jogo Aberto

Governador promete fim de ano "gordo" para servidores

Por Adriel Mattos e Ângela Kempfer | 20/05/2022 06:00
Governador durante entrevista coletiva na manhã de ontem. (Foto: Adriel Mattos)
Governador durante entrevista coletiva na manhã de ontem. (Foto: Adriel Mattos)

Final de ano gordo – Sete meses antes, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) revelou ontem que o salário de dezembro do funcionalismo estadual, que é pago no quinto dia útil de janeiro, será antecipado e quitado para as festas de “Papai Noel” deste ano. No mês que encerra seu mandato, o tucano vai pagar em torno de R$ 1,2 bilhão para os 78 mil servidores. Além do vencimento do mês, a bolada inclui novembro e o décimo terceiro.

Contas em dia – Ao fazer uma espécie de balanço de sua gestão, Azambuja disse que vai passar o bastão para o sucessor com a “casa em ordem”. Folha salarial quitada, sem dívidas a pagar e, se eventualmente, alguma obra não for concluída até dezembro, vai deixar dinheiro em caixa para pagá-las. O governador lamentou que, ao assumir o governo, “totalmente quebrado”, foi obrigado a tomar medidas amargas. “Não quero fazer com quem me suceder”, comentou.

Pobreza - Em tom de lamento, o governador reproduziu informação do jornal O Estado de S. Paulo de que 4% da população brasileira deixou de pagar a conta de energia elétrica para comprar alimentos. “Isso entristece a gente. As pessoas não podem ter luz em casa, porque têm que fazer uma escolha: ou paga a luz ou compra comida”, disse ao defender seu programa “Energia Social – Conta de Luz Zero”. Em Mato Grosso do Sul, o governo paga a conta para 160 mil famílias.

Ainda lento – Nos últimos 2 anos, apenas 3 municípios de Mato Grosso do Sul entraram no aplicativo Airbnb para locação de imóveis por temporada: Bonito, Campo Grande e Ponta Porã. A baixa adesão divulgada pelo próprio aplicativo mostra que por aqui, esse tipo de turismo ainda não emplacou.

Na vitrine - Um dos sex shops antigos da cidade abre as portas, na próxima semana, no shopping mais tradicional da Capital: o Campo Grande. O "Labareda" garante que será a primeira empresa sensual em um shopping do Brasil. No material de divulgação, os proprietários asseguram que não vão barbarizar ninguém e sim, criar um ambiente emocionalmente seguro para que as “pessoas alcancem educação, consciência e principalmente bem-estar sexual”.

Perdoa - Com as bênçãos do TCE (Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul), dos deputados e do governo estadual, os prefeitos que cometeram irregularidades e foram multados pela Corte podem ser mais uma vez perdoados. Reunião ontem (19) na Assembleia Legislativa praticamente selou mais um Refis (Programa de Renegociação de Dívidas).

Lambuja de novo - Durante o encontro, o presidente do Tribunal de Contas, o conselheiro Iran Colhe das Neves, já até antecipou que deve reeditar o programa de negociações sim, nos mesmos termos que já liberaram as multas e salvaram os prefeitos de colocar a mão no bolso e pagar quantia robusta aos cofres do TCE.

Ajuda nós - A Aprefex (Associação de Prefeitos e Ex-prefeitos de Mato Grosso do Sul) encabeçou o pedido de perdão. Segundo a entidade, os prefeitos não devem porque são caloteiros, mas por problemas de “comunicação”. “Mais de 80% das multas dos ex-gestores foram geradas devido à remessa atrasada de documentos ao Tribunal de Contas e até por falta de comunicação”, justificou o tesoureiro da entidade, Rogério Rosalin.

Troca – Os juízes de Campo Grande Mário José Esbalqueiro Jr. e Marcelo Ivo de Oliveira vão trocar de lugar. O primeiro assumirá a 7ª Vara Criminal da Capital e o segundo irá judicar na 5ª Vara de Família e Sucessões. Os desembargadores integrantes do Órgão Especial do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) votaram a favor da permuta, na sessão de quarta-feira (18).

Mais mudanças - No interior, dois juízes foram promovidos e assumirão varas em comarcas de segunda entrância. A juíza Laísa de Oliveira Ferneda Marcolini deixa a comarca de Sete Quedas para assumir a 2ª Vara de Costa Rica, e o juiz Mario César Mansano deixa Deodápolis para tomar decisões na 2ª Vara de Fátima do Sul.

Nos siga no Google Notícias